16/03/2020 - 10:05h

Hidratação: como a ingestão regular de água atua no organismo

Descubra como nosso corpo reage a uma hidratação adequada e entenda porque ingerir água regularmente é fundamental!

Sabemos que a água é um elemento essencial à vida e que manter-se hidratado é estritamente necessário para preservar o bom funcionamento dos órgãos e a saúde em geral. Ou seja, o corpo humano precisa manter o nível de hidratação sempre dentro do normal, para que tudo trabalhe adequadamente.

Todas as reações químicas, funcionamento dos rins, respiração, digestão, circulação, a desintoxicação feita através do fígado e o sistema imunológico utilizam a água para realizar suas funções adequadamente. Não é à toa que quase 70% do nosso corpo é composto de água!

Mas não é só internamente que a hidratação apresenta resultados. Ao ingerir água de maneira regular e adequada às nossas necessidades diárias, o organismo responde externamente, através de uma pele viçosa, cabelos sedosos e unhas fortes, já que vários nutrientes dependem da água para que sejam carregados e distribuídos pelo corpo.

Isso sem contar que a água atua diretamente nas funções cerebrais, além de regular a temperatura corporal. Por isso, dar ao nosso organismo a hidratação que ele precisa é o jeito melhor e mais natural de manter a concentração e sentir-se mais disposto.

Do contrário, quando não damos atenção para necessidades básicas como consumo regular de água, as toxinas ingeridas nos alimentos e absorvidas de ambientes externos acabam retidas, prejudicando o funcionamento do organismo, já que a limpeza necessária para eliminar tais substâncias não ocorre normalmente.

Como manter a hidratação em dia?

Não é de hoje que ouvimos falar que a ingestão diária de água deve ser de 2 a 3 litros, diariamente. No entanto, a medicina já esclareceu que essa é uma espécie de “lenda urbana”, e que a quantidade de água necessária por dia varia muito, tanto de pessoa para pessoa, quanto de acordo com a rotina de cada um.

Por exemplo: quem realiza atividades físicas intensas precisa beber mais água do que alguém que faz apenas caminhadas leves algumas vezes na semana. E ainda, uma pessoa que pesa 60 kg necessita de menos água do que uma de 90kg.

Outros fatores como o clima, o tipo de alimentação, o metabolismo, o consumo de álcool e as condições de saúde (ocorrência de febre, vômitos etc) também determinam como a nossa hidratação vai acontecer.

É importante lembrar que não é só a falta de água que prejudica o funcionamento do corpo, mas o excesso também. Ingerir água além da necessidade pode causar uma diluição anormal do sangue e do sódio, que cumpre um papel importante no organismo.

Pessoas portadoras de insuficiência renal também precisam limitar a quantidade de água ingerida, agindo de acordo com as recomendações médicas.

Sintomas de desidratação

Quando a quantidade de água que eliminamos é maior do que a ingerida, ocorre a desidratação. Se esse nível chegar a 20% de perda de água sem que haja reposição, a pessoa pode vir a óbito. No entanto, casos extremos só tendem a ocorrer em situações anormais, onde o indivíduo esteja impedido de beber água por um período de tempo maior.

Até mesmo porque nosso corpo dá sinais de desidratação, sendo possível perceber a diminuição da água no organismo através de alguns sintomas como:

  • dores de cabeça;
  • cansaço e fadiga;
  • concentração baixa;
  • constipação.

Vale lembrar, no entanto, que quando nosso nível de hidratação não está adequado, a sede é o primeiro sinal de que devemos ingerir água imediatamente. Nosso corpo fala e nos orienta a atender suas necessidades, mas é preciso estar alerta e compreender o que ele diz!

Postado por: Raavi